TECNOLOGIA

Como a Economia Colaborativa Influencia a Hotelaria

Alex Gaggioli

Por Alex Gaggioli

Economia colaborativa é o mais recente termo da moda no mundo da tecnologia. Embora eu pessoalmente tenha ouvido esse termo o tempo todo, nunca entendi completamente o que significava. Quando comecei minha pesquisa, descobri que a internet tende a discordar sobre o que ele realmente significa.

A economia colaborativa influenciou muito o setor de hotelaria nos últimos anos, portanto, é importante compreender seus fundamentos.

Definição:

Encontrei uma descrição abrangente:

A economia colaborativa é um ecossistema socioeconômico construído em torno do compartilhamento de recursos humanos e físicos. Ela inclui a criação, produção, distribuição, comércio e consumo compartilhados de bens e serviços por diferentes pessoas e organizações. Fonte: The People Who Share

Mas eu também encontrei uma descrição muito mais restrita:

Consumidores ou empresas que concedem uns aos outros acesso temporário aos seus ativos físicos subutilizados (“capacidade ociosa”), possivelmente por dinheiro. Fonte: Inc

Outra maneira popular de descrever a economia colaborativa é através do consumo colaborativo. As pessoas, também conhecidas como consumidores ou pares, compartilham seus próprios bens não utilizados entre si por longos e curtos períodos de tempo. Consumidores com ativos disponíveis, como um carro que não é usado ou quartos disponíveis, podem gerar receita oferecendo-os a seus pares por meio de canais não tradicionais.

Entrada: canais intermediários e empresas de tecnologia

Quando os serviços de transporte por aplicativo, como Uber e Lyft, entraram no mercado, o tradicional setor de táxis sofreu um impacto repentino. Pessoas com carros e tempo extra agora podem aproveitar o Uber ou o Lyft para oferecer corridas para outros consumidores. Criando, desta forma, um sistema ponto-a-ponto através de um meio tecnológico.

Mas, muitas pessoas acham que o Uber não faz mais parte da economia colaborativa. De acordo com a inc, para que alguém ou uma empresa participe da economia colaborativa, o fornecedor deve estar oferecendo um ativo que, de outra forma, não seria utilizado. Por exemplo, o UberPool em São Francisco é de fato parte da economia colaborativa porque permite que os usuários compartilhem táxis na cidade para economizar dinheiro. Mas UberX e UberBlack não fazem parte da economia colaborativa porque os serviços executados são a pedido do usuário, e não de pessoas compartilhando assentos não utilizados. A distinção é pequena, mas importante para o argumento.

O que isto significa para as viagens

Mas como isso afeta diretamente o setor de viagens e, mais especificamente, os hoteleiros?

Obviamente, o Airbnb se tornou um jogador importante em serviços de hotelaria nos últimos anos. Supostamente valendo quase US$ 20 bilhões, o Airbnb tem um valor de mercado maior do que muitos hotéis tradicionais, como Starwood, Wyndham, Accor e InterContinental, para citar alguns. Esses números preocupam muitos profissionais de hotelaria, e por um bom motivo.

Em sua origem, o Airbnb se esforça para ser a essência da economia colaborativa. Mas, assim como o Uber, os anúncios do Airbnb nem sempre contribuem para o novo sistema.

Anúncios que contribuem para a economia colaborativa:

  • Anfitriões que anunciam quartos não utilizados em suas casas (o anfitrião pode ou não estar presente)
  • Anfitriões que anunciam sua residência permanente enquanto estão ausentes

Anúncios que não contribuem para a economia colaborativa:

  • Um proprietário que anuncia uma propriedade ou várias propriedades nas quais não reside (ou seja, aluguéis de temporada)

Mas, independentemente de como alguém queira classificar um anúncio do Airbnb, todo o negócio tem representado uma ameaça significativa à hotelaria tradicional.

Hoteleiros se reuniram nas acomodações da Alternate: Os benefícios da demanda para discutir tendências e ameaças emergentes. Hotel News Now informou que Kurien Jacob, diretor de receita da Highgate Hotels, disse: “Sem dúvidas vemos o Airbnb como uma grande ameaça. Essa questão é levantada em todas as reuniões que temos.”

A pesquisa de mercado BDRC compartilhada pelo Hotel News Now oferece dados interessantes sobre as novas tendências:

  • 19% dos viajantes dos EUA usaram algum site de acomodação compartilhada em 2014
  • 44% dos consumidores considerariam usar um no futuro
  • 66% dos millennials e 62% da geração X usarão acomodações compartilhadas por mais de uma vez, com 51% dos baby boomers se tornando usuários recorrentes

À medida que os consumidores se familiarizam com novas plataformas como o Airbnb, os hotéis continuarão a perder negócios se não responderem adequadamente.

Um preço mais barato não é a única coisa que leva os hóspedes a usar o Airbnb. As experiências culturais e a localização também são um fator importante que contribui para o comportamento do consumidor. Os clientes do Airbnb se sentem mais sintonizados com a cultura local durante sua estadia do que em hotéis tradicionais, muitas vezes devido ao zoneamento. Se os hóspedes estão escolhendo o Airbnb porque os hotéis tradicionais não oferecem a mesma experiência cultural, como os hotéis podem se adaptar para nivelar as condições?

Alguns acreditam que os hotéis boutique serão os mais atingidos porque oferecem o mesmo tipo de experiência cultural que um Airbnb. Mas os hotéis boutique oferecem aos hóspedes mais do que o Airbnb, de acordo com Chadi Farhat. Segundo ele, esses hotéis são focados em design, acesso ao entretenimento e vida noturna que simplesmente não estão disponíveis na maioria dos Airbnbs.  

Sejamos claros, o Airbnb não é a única empresa de economia colaborativa no mercado. O Couchsurfing.com permite que os usuários hospedem e permaneçam em residências locais em todo o mundo por pouco ou nenhum custo. O Wimdu também oferece uma plataforma para pessoas com quartos disponíveis para alugá-los a turistas, muito semelhante ao Airbnb. A Viable é uma plataforma que permite que residentes ofereçam a turistas experiências únicas por suas cidades. Todas essas empresas contribuem para a economia colaborativa e representam uma ameaça para os hotéis.

O futuro da hotelaria

Os hoteleiros citados no artigo do Hotel News Now dizem que estão acompanhando de perto a economia colaborativa. Os hotéis podem começar a oferecer quartos compartilhados para viajantes que buscam um tipo diferente de experiência de viagem, seja pelo preço, seja pela cultura. Além do compartilhamento de quartos, como um hotel poderia ingressar na economia colaborativa?

A NetTrans diz que a economia colaborativa impulsionará os negócios tradicionais do setor de viagens a oferecer espaços de trabalho, quartos de hotel e aluguel de carros a preços por hora. A economia colaborativa criará novos mercados e processos para todo o setor. Imagine se os quartos de hotel ficam praticamente desocupados devido ao aluguel por hora.

Empresas como Airbnb e Uber certamente são inovadoras e desafiam as empresas tradicionais. Eles vão forçar as empresas a serem mais flexíveis e transparentes enquanto fazem mais pelo consumidor.

Eu, por exemplo, estou animado para ver como o setor de hotelaria vai responder às novas tecnologias e se adaptar à economia colaborativa.

 

Publicado em 28 fevereiro, 2022
loading background.

Sobre Alex Gaggioli

Alex Gaggioli
Alex Gaggioli is a digital marketing manager. He lives in sunny San Diego, near Cloudbeds headquarters. When he’s not firing off on social media, you can find him at the beach or checking out the newest restaurant in town.
INSCREVA-SE
Obtenha ideias brilhantes e práticas recomendadas diretamente na sua caixa de entrada
FREE EBOOK

e-Book de Software de Gestão Hoteleira

Seu negócio pronto para o futuro - Um guia para escolher o melhor Sistema de Gestão Hoteleira.
Obtenha o e-Book
Cloudbeds
Uma plataforma projetada para ajudar os hoteleiros a gerar receita, economizar tempo e aumentar satisfação do cliente.

Você também pode se interessar por...

BLOG

Cloudbeds adquire Whistle para resolver atritos na jornada do hóspede

BLOG

6 maneiras de medir a satisfação dos clientes (+ exemplos)

BLOG

5 maneiras fáceis de otimizar as operações da recepção

Cloudbeds
Web Beacon